Messenger explora terreno desconhecido de Mercúrio

Com um segundo sobrevôo agora 95% do planeta sobrevoaram

Closeup da superfície do mercúrio. Esta imagem é uma Aisschnitt de um panorama que se estende pela linha dia-noite. © NASA
ler em voz alta

Pela segunda vez, a sonda da NASA "Messenger" voou perto de Mercúrio, o planeta mais interno do nosso sistema solar, mapeando e examinando regiões anteriormente inexploradas. Entre outras coisas, as imagens e os dados forneceram as primeiras indicações da geologia do planeta e confirmaram que ele possui um campo magnético simétrico.

A sonda MErcury Surface, Space Environment, Geochemistry e Ranging, Messenger, atravessou o planeta mais interno do sistema solar em 6 de outubro. No decurso de seu sobrevôo, também coletou dados sobre áreas da superfície que nunca poderiam ter sido observadas anteriormente por telescópios ou sondas.

Zona rural velha e com crateras

"A área na superfície de Mercúrio, que observamos de perto este mês, é maior que a área da América do Sul", disse Sean Solomon, diretor de magnetismo da Carnegie Institution de Washington. "Se combinarmos isso com nossos primeiros dados de sobrevôo e Mariner 10, cobriremos cerca de 95% do planeta".

Durante o sobrevôo, as câmeras de bordo fizeram mais de 1.200 imagens da superfície, enquanto o altímetro a laser mediu a topografia da paisagem de Mercúrio passando sob a sonda. As fotografias revelaram pela primeira vez os grandes contrastes geológicos na superfície.

"Agora que as câmeras do Messenger mapearam mais de 80% de Mercúrio, é claro que, ao contrário da Lua e de Marte, a superfície de Mercúrio é uma idade muito mais homogênea e com mais crateras", explica Mark Robinson, professor associado Projeto Messenger da Universidade Estadual do Arizona ", e entre e nas vastas bacias de impacto são extensas planícies vulcânicas".

Mercúrio em vista quase natural e de cores falsas (direita) NASA

Campo magnético simétrico

O Messenger também fez medições do campo magnético, que, juntamente com dados mais antigos, completaram a imagem da magnetosfera do planeta. "Os passes anteriores do Messenger e do Mariner 10 forneceram dados apenas no hemisfério leste de Mercúrio", disse Brian Anderson, da Universidade Johns Hopkins. "O recente sobrevôo nos permitiu fazer medições do Hemisfério Ocidental pela primeira vez, e agora descobrimos que o campo magnético de Mercúrio é altamente simétrico".

Também estava a bordo um espectrômetro, com o qual os cientistas foram capazes de investigar a composição da exosfera, a atmosfera extremamente fina do planeta. Registrou os espectros característicos de emissão de sódio, cálcio, magnésio e hidrogênio. A detecção de magnésio foi bem sucedida pela primeira vez. A distribuição dos elementos individuais na exosfera diferia por que e em que medida, novas investigações devem agora ser feitas.

(NASA, 11.11.2008 - NPO)